Topo Geral
Bahia

"Não aceitarei ultimato", diz Rui Costa sobre decisão para realizar carnaval

Governador referiu-se à Comissão da Câmara de Vereadores de Salvador, que aprovou relatório com onze recomendações para realização do carnaval

13/11/2021 06h51
Por: Redação
Fonte: G1
50
Governador disse que não vai
Governador disse que não vai "anunciar nenhuma festa de forma precipitada"

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), falou nesta semana que não aceita "ultimato de ninguém", para tomar a decisão sobre a realização de carnaval da Bahia. O posicionamento do governador ocorreu após a Comissão da Câmara de Vereadores de Salvador aprovar um relatório com onze recomendações para que a festa aconteça na capital baiana.

Rui ainda disse que o carnaval na Bahia poderá ser realizado em 2022, mas que não vai antecipar decisão sobre o assunto. Ele prefere aguardar o comportamento dos casos de Covid-19 no estado até dezembro deste ano.

O governador falou sobre o assunto durante a entrega da reforma do Hospital Ana Nery, em Salvador. Na ocasião, ressaltou que não vai "anunciar nenhuma festa de forma precipitada" e explicou.

"Se eu anunciar hoje: 'terá carnaval'. E em dezembro os casos explodem, eu vou ter que cancelar. Aí, vou receber várias críticas, e o estado será processado por milhares de pessoas dizendo: 'O governador anunciou que ia ter carnaval, eu fiz contratos e eu quero a indenização pelo meu prejuízo'. Do mesmo jeito que, se eu anunciar: 'não vai ter carnaval', e lá para dezembro os números caírem de forma drástica... Por que não fazer o carnaval? Nós podemos fazer, mas depende de os números darem segurança para a gente tomar a decisão", detalhou.

Rui Costa disse respeitar as pessoas que investem no carnaval, gerando emprego e renda para a atividade econômica da Bahia, mas defende cautela.

"Tivemos carreatas, buzinaços, protestos e ultrapassamos isso tudo. Por isso, estamos com a segunda menor taxa de mortalidade do Brasil. Não é agora que vou mudar a minha postura e meu comportamento", reforçou.

No último boletim divulgado pela Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab), a Bahia registro 513 novos casos de Covid-19 e 9 óbitos. Dos 1.249.613 casos registrados desde o início da pandemia, 1.220.076 são de pessoas recuperadas, 2.401 seguem ativos e 27.136 pessoas morreram.

A Bahia possui 10.763.804 pessoas vacinadas contra o coronavírus com a primeira dose ou com dose única. No estado, já foram aplicadas vacinas em 84,54% da população com 12 anos ou mais, estimada em 12.732.254.

A Comissão Especial de Acompanhamento da Retomada dos Eventos da Câmara Municipal de Salvador elaborou um relatório com os principais pontos abordados em duas audiências públicas realizadas para discutir a retomada dos eventos e do carnaval em 2022. A aprovação desse relatório ocorreu na segunda-feira (8).

Entre as recomendações da Comissão, está a solicitação de que a decisão sobre o carnaval ocorra até 15 de novembro em conjunto com a prefeitura e o governo, e que haja uma redução na duração da festa para, no máximo, sete dias.

Além disso, é preciso instalação do funcionamento do Conselho Municipal do Carnaval (Comcar) e da Coordenação Executiva do Carnaval como instâncias de observação e acompanhamento dos indicadores da pandemia. O Comcar, inclusive, tem uma reunião prevista para quinta-feira (11) para discutir sobre a o carnaval no próximo ano.

A Comissão também solicitou uma reunião com o prefeito Bruno Reis e o governador Rui Costa para apresentar o relatório, que apresenta os índices da pandemia para justificar a realização da festa.

Entre os dados citados estão: a redução de 87% no número de óbitos entre julho e outubro (em quatro meses) e de 75% entre setembro e outubro (em dois meses) em Salvador.

A Comissão Especial realizou duas audiências públicas: uma no dia 27 de setembro com o tema "Retomada dos eventos da cidade do Salvador", e a segunda no dia 19 de outubro, com o tema "Vai ter Carnaval!?" debatendo, respectivamente, a retomada dos eventos em geral e o Carnaval 2022.

Presidida pelo vereador Claudio Tinoco (Democratas), a Comissão é formada por nove vereadores: além do presidente, o vice-presidente Anderson Ninho (PDT), André Fraga (PV), Cris Correia (PSDB), Daniel Alves (PSDB), Leandro Guerrilha (PL), Marta Rodrigues (PT), Ricardo Almeida (PSC), e Sílvio Humberto (PSB).