Topo Geral
Fiscalização

Tratamento do lixo hospitalar do Esaú Matos surpreende conselheiros durante visita

A situação encontra-se da mesma forma como foi verificada por auditores em julho de 2018

29/09/2021 07h50Atualizado há 3 semanas
Por: Ailton Fernandes
190
"Essa situação do lixo é a mais grave e até agora não foi resolvida”, diz conselheira.

Membros do Conselho Municipal de Saúde estiveram, nesta terça (28), no Hospital Esaú Matos, e se surpreenderam com as condições do armazenamento e manejo dos resíduos sólidos produzidos pela unidade. O chamado lixo hospitalar encontra-se da mesma forma como foi observado pelos auditores da Secretaria Estadual da Saúde, em visita realizada em julho de 2018.

Mais de três anos depois, a Fundação de Saúde ainda não realizou as devidas adequações apontadas pela Auditoria Nº 4.384, que recomendou: “identificar, segregar e acondicionar o lixo produzido na unidade hospitalar e adequar à área de armazenamento externo conforme disposições previstas na RDC Anvisa no 306/2004”. 

“As pendências foram resolvidas em parte. Mas, para nós, a grande surpresa foi encontrar a área de manejo do lixo hospitalar do mesmo jeito da época da auditoria. As irregularidades estão todas lá, a situação é bem crítica mesmo”, relata a conselheira Suzana Ribeiro.

Segundo Ribeiro, as bombonas com lixo infectante e perfurocortantes ficam a céu aberto, há caixas plásticas grandes cheias de lixo sem tampas e existe uma improvisação com um freezer para colocar placentas e restos de parto. “A não-conformidade mais grave é essa situação do lixo e até agora não foi resolvida”, diz.

Além dos conselheiros, a visita ao Hospital foi realizada pela vereadora Viviane Sampaio (PT) e o vereador Ricardo Babão (PCdoB), integrantes da Comissão de Saúde da Câmara de Vitória da Conquista, e integrantes do Conselho Curador.

Em nota publicada no site oficial da Prefeitura, o diretor da Fundação de Saúde afirma que os conselheiros e vereadores “puderam verificar que a gente tem avançado bastante em todos os cantos da unidade hospitalar Esaú Matos”.

O diretor da Fundação de Saúde, Diogo Azevedo, não participou da visita desta terça e também não esteve presente na reunião do dia 16, quando foi proposta a visita in loco para fiscalização. Na época da auditoria, o diretor da FSVC era Felipe Bittencourt.

Confira abaixo as fotos e reprodução da constatação apresentada no relatório da Auditoria.