Zap do site
Conquista

Audiência Pública destaca importância dos enfermeiros, desafios e conquistas da profissão

Profissionais e estudantes da área prestigiaram a audiência proposta pela vereadora Viviane Sampaio

13/05/2022 15h01
Por: Redação
Fonte: Ascom Câmara
36

A Câmara Municipal de Vitória da Conquista (CMVC) realizou uma audiência pública em homenagem ao Dia Internacional da Enfermagem, comemorado nesta quinta-feira, 12 de maio. A audiência, de autoria da vereadora Viviane Sampaio (PT), contou com a participação de profissionais e estudantes da área. A ocasião serviu para homenageá-los e debater sobre os avanços e desafios dessa categoria profissional.

A vereadora Viviane Sampaio (PT), que também é enfermeira, ressaltou a importância dos profissionais na oferta do serviço público e na iniciativa privada. “Em cada ponta da saúde pública, a figura do profissional da enfermagem é de extrema necessidade. Afinal, é de sua responsabilidade prestar os primeiros atendimentos aos pacientes recém-chegados a unidades de assistência, realizar exames preliminares, cuidar da higiene dos pacientes, além de gerir os medicamentos prescritos e acompanhar o quadro geral dos internados”, explicou. 

Além da assistência ao paciente, o enfermeiro atua em diferentes frentes, em ações sistematizadas, visando à assistência ao ser humano, em todos os ambientes públicos.

A pauta da Enfermagem não é nova - A enfermeira Mércia Amaral parabenizou a iniciativa da Câmara Municipal em promover um debate para tratar sobre a importância da enfermagem. Durante o discurso, ela ressaltou que a pauta da categoria não é nova e destacou a importância desses profissionais no Sistema Único de Saúde (SUS), durante a pandemia da Covid-19. 

Esforços pela formação de qualidade - A professora do Curso de Enfermagem na Faculdade Independente do Nordeste (Fainor), Luana dos Reis, destacou os esforços dos profissionais que atuam na formação. "Sou enfermeira, sei de todas as nossas lutas e batalhas nos serviços, na assistência, mas também de estarmos contribuindo para a formação profissional de excelência", disse, acrescentado: "Nossa missão é formar profissionais capacitados, de excelência. Temos aqui diversos colegas egressos da Fainor nos representando muito bem no mercado".

O que a Covid-19 revelou sobre a Enfermagem - Representando o Conselho Regional de Enfermagem da Bahia, a enfermeira Elane Barbosa falou da alegria em reencontrar todos os colegas nesse cenário pós pandemia. “Nesses anos, a gente precisou retomar àqueles cuidados básicos de Florence, que tanto nos afastamos”, afirmou. Ela destacou que a pandemia mostrou um lado da saúde que estava sendo ignorada. “De repente, a gente se viu sem saber o que fazer diante de um inimigo invisível. Lutar contra isso foi muito difícil”, ressaltou. Elane lembrou também que a doença vai continuar existindo e revelando as mazelas relacionadas à enfermagem, desde a gestão dos pacientes aos cuidados com a biossegurança. “Estamos falando aqui da baixa remuneração, da ausência de EPI’s, do distanciamento dos familiares, direitos trabalhistas e muito mais”, lembrou. “Todas essas situações realçaram diante da pandemia. Tivemos que lutar contra a doença e continuamos lutando contra esses desafios impostos por nossa realidade de trabalho”, pontuou.

Enfermagem toca a alma das pessoas - A representante da Escola Grau Técnico, Thuany Silva, destacou que a formação vai muito além da técnica. “Formar profissionais para o mercado de trabalho é um desafio muito grande que a gente enfrenta. A excelência não se resume apenas ao conhecimento técnico científico. É muito importante que nos preocupemos também como o nosso profissional vai lidar com a dor do outro. Nós nos preocupamos com a questão humana, a enfermagem está, o tempo todo, tocando a alma humana”, disse ela.

Unir forças para continuar lutando - A enfermeira Tarcísia Castro Alves participou do debate enquanto professora da UFBA. Ela defendeu a valorização da enfermagem, lembrando o tamanho imenso da categoria. “Somos maiores que a construção civil, maiores que a agricultura”, dimensionou. Apesar do número de profissionais, a professora questionou a representativa da enfermagem no campo político. “Que categoria é essa que é uma multidão e que perde força no meio do caminho? Precisamos unir forças para continuar perdendo os nossos colegas no caminho”, defendeu. Ela afirmou ser essencial que a enfermagem permaneça motivada e disposta a sensibilizar parlamentares pela rápida votação do PL 2564/20. “Precisamos agir juntos para garantir essas conquistas”, pontuou.

Importância dos técnicos - O representante do Instituto de Saúde Ana Carolina (ISAC), José Geraldo, reforçou a importância da formação dos técnicos de enfermagem. “Vim aqui no intuito de reforçar o curso técnico de enfermagem. É uma grande luta jogar esses novos profissionais no mercado. O técnico de enfermagem é uma das profissões mais cogitadas pelos jovens”, disse ele, destacando a força da profissão. “Meus professores se empenham ao máximo em formar profissionais competentes”, finalizou.

A importância da Enfermagem no cuidado de saúde da população - Dayane Farias participou do debate representando a Escola Ana Nery, que forma de técnicos de enfermagem em Vitória da Conquista. Ela demonstrou a importância da enfermagem no cuidado de saúde da população brasileira, principalmente durante a Pandemia da Covid-19. Para ela, esse momento histórico só demonstrou os obstáculos impostos à categoria e a necessidade de leis que transformem o aplauso em direitos, que estão sendo negados até o momento. “O momento é de luta e essa luta precisa continuar, valorizando e contemplando toda equipe de enfermagem”, declarou. Por fim, destacou a contribuição da Escola Ana Nery na formação de profissionais técnicos no município. “Que a coragem de Ana Nery nos ilumine nessa caminhada marcada por tantos desafios”, pontuou.

União da categoria - Falando em nome do SindSaúde, Fabrício Lacerda defendeu a união da categoria para garantir mais avanços. “A gente vê uma mobilização gigantesca nas redes sociais em prol da aprovação do PL 2564”, disse, e completou: “A unidade se faz mesmo nas diferenças. Aí está a configuração da nossa força. Não precisamos ter a mesma função, os mesmos salários. Precisamos dividir responsabilidades, direitos, deveres”.